quinta-feira, janeiro 1

A Caverna





"A Minha pele tem o fogo do Juízo Final" (Zeca Baleiro)



A CAVERNA



Estávamos à beira da fogueira dentro daquela caverna pré-histórica.

Eu, sempre friorenta, esquentava meu corpo perto do fogo. Uma necessidade de estar sempre perto do fogo.

Do meu lado, você segurava a minha mão e ficávamos horas trocando idéias fascinantes e mirabolantes.

Num impulso, você se levantou e saiu para a caça no meio da noite, abandonando o fogo e eu.

Teimoso como sempre, não me ouviu quando o adverti sobre os perigos da sombra da noite, e nem ouviu meus pedidos para esperar o dia amanhecer, e sair com o sol. Naquele momento estava muito frio e eu o queria comigo, mas foi em vão.
Fiquei esperando por você a noite toda e ainda de manhã, mas nunca mais voltou e até então sempre o esperei.

E agora, eis que retorna e nos encontramos novamente. Mas já não é o mesmo caçador nem é o mesmo homem. As suas vestes são outras, os tempos são outros... O cenário mudou, até o enredo mudou, mas somos os mesmos. O mesmo par de almas. Nunca deixamos de Ser!




Somos o que somos e nada mais do que isso. A marca de um nome. A marca de dois nomes em um. Áspera e Lisa canção, separadas em fragmentos sonoros. Notas em si "No Universo das Paixões". O poder do verbo! O sibilar da Serpente Penteando a letra inicial. Vamos deitar nesse 8 e amar até a raiz quadrada do infinito...só pra pagar um mico!!!


Elizabeth

Nenhum comentário: